4.5.07

ainda sobre mim e Hibari

Ainda sobre mim e Hibari... nem dava pra ignorar as ameaças lançadas via seus olhinhos castanhos, um misto de animação japonesa, gueixa e brasilidades latentes. Eu engordava a olhos vistos e de acordo com isentas testemunhas nunca tinha sido visto tão risonho. Essas coisinhas tolas tipo andar de mãos dadas, chamar de mãiê, paiê, dentro outras palavras de cunho psicanalítico (Freud e seu charuto me entediam) quase irromperam em minha existência cinza, colorindo as frações de meu ser, tive de ser forte para não sucumbir, mas ela me ameaçava, e avançava dia-a-dia em direção às muralhas de minha solidão... Mas, vejamos, a ameaça... Bem, Hibari cobrava tudo via seus olhinhos acima adjetivados e praguejava, tacitamente, um futuro estéril e melancólico para mim, um castigo contra toda rebeldia esboçada, eu lamentava minhas leituras de Thoreau e me sentia um babaca, um artista circense vacilando na corda bamba dos carinhos de fêmea. Mas, é forçoso reconhecer, na contra mão da revolta tinha a resignação alegre regada a sexo matutino e rosto iluminado, eis a corrupção que me levou à clausura voluntária. Hibari não era uma mulher, era o epicentro de meu desejo inconsciente por uma vida menos sórdida que julgava perdido... nem tinha muito o que fazer, a mim restava apenas a obediência, tudo premiado por uma xoxota quente e certa compaixão feminina. Recebi ainda um título, de que me orgulho, recebido de sua mão com um quimono: danna. Eu não estava propriamente feliz, não deixava de pensar que apenas subia mais alto para a queda livre. Eu me traí, dei a Hibari o que não dei à mulher nenhuma. E o que eu dei era fungível, perdeu-se...



trecho de "HH, uma novelinha escorada".

9 Comments:

Blogger Sara said...

Uma vez me disseram que quanto maior a viagem, maior a queda.No seu caso é já ter encontrado o chão tantas vezes que uma Hibari a mais ou a menos não faz diferença.Cuidado com as fêmeas, fique com seus desejos mesmo.

1:40 PM  
Blogger Transbordando Poesia said...

"quase irromperam em minha existência cinza, colorindo as frações de meu ser, tive de ser forte para não sucumbir, mas ela me ameaçava, e avançava dia-a-dia em direção às muralhas de minha solidão..."

me vi.

2:59 PM  
Anonymous paula said...

perdeu-se em raiva ou em rima?

4:12 PM  
Anonymous Ruko ( Mortícia no orkut) said...

nossa! adorei teu estilo, de verdade!
e acredite, eu sou muito difícil de ser agradada!
: )
bem, se te interessar, também sou uma escritora não publicada, e tenho um blog.
: )

5:03 PM  
Blogger Jorge Ferreira said...

sempre por aqui...grande abraco!

2:15 AM  
Blogger Duda Bandit said...

oi, Sara... mas aí eu vou perder a possibilidade de vertigem. abração.

bacana, Transbordando poesia, brigado pela visita... abração.


paulinha, perdido eu já nasci.... beijos.

Ruko, adorei sua poesia dark tb... beijos.

JF, e eu lá também, abraço, irmão.

7:05 AM  
Blogger Julio Cesar Corrêa said...

Uma mulher com o nome de Hibari é coisa do demo. Como será xoxota em japonês? Estou desses drops de HH. Aguardo mais.
gd ab

8:59 AM  
Blogger Guto Melo said...

Hibari sabe das coisas.

10:23 AM  
Anonymous droggo said...

o luto por ter perdido uma vida sórdida é bem doloroso

12:11 PM  

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home